Governo de Moçambique aprovou novo Regulamento da Lei de Florestas e Fauna Bravia

Maputo, Moçambique, 7 Dez – As taxas de exploração e as multas por infracções sobre a floresta e a fauna foram agravadas em Moçambique com a aprovação terça-feira pelo governo do novo Regulamento da Lei de Florestas e Fauna Bravia, informou a imprensa moçambicana.

No final da reunião do Conselho de Ministros, o vice-ministro da Justiça e porta-voz do governo, Alberto Nkutumula, disse que 12 anos após a entrada em vigor da Lei de Florestas e Fauna Bravia constatam-se algumas fragilidades legais que têm permitido a prática de irregularidades sem que as sanções aplicáveis sejam suficientemente dissuasoras.

De igual modo, a revisão do Regulamento da Lei de Florestas e Fauna Bravia, de acordo com Nkutumula, surge da constatação da falta de sustentação da exploração florestal em regime de licença simples, da fraca contribuição do sector florestal e de fauna para as receitas do Estado devido às baixas taxas de exploração, da crescente prática de infracções e ainda do crescimento do sector empresarial interessado em plantações florestais e fazendas de bravio, tornando-se, por isso, necessária a regulamentação.

Nos termos do novo regulamento, as licenças simples passam a ser feitas com base num plano de maneio e passam ainda a ter a duração de cinco anos, para além de se ceder um espaço máximo de até dez mil hectares.

O porta-voz indicou que as penas actuais pelas infracções são leves, sendo que o valor pago não chega a cobrir o dano causado, tendo sido decidido instituir uma multa que varia de dez mil a um milhão de meticais, consoante a espécie florestal e de fauna abatida. (macauhub)

Compartilhe esta notícia:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Print
  • email
  • RSS

Notícias relacionadas:

  1. Governo de Moçambique aprovou regulamento da taxa de sobrevalorização da madeira
  2. Governo de Cabo Verde aprovou novo regulamento geral de construção urbana
  3. Governo de Moçambique incorporou corredor do Fúti na Reserva Especial de Maputo
  4. Angola quer plano para inventariar florestas e árvores
  5. Empresa chinesa quer mais área para explorar madeiras em Inhambane,Moçambique