Download MacauHub mobile app (iOS version)


Download MacauHub mobile app (Android version)

Macao magazine


Pet

Guiné-Equatorial aprovou o português como terceira língua oficial

Malabo, Guiné Equatorial, 12 Out – A Assembleia Nacional da Guiné Equatorial aprovou o português como terceira língua oficial do país, passo necessário na pretensão governamental de aderir à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, informaram segunda-feira fontes oficiais em Malabo.

O projecto de lei, que foi defendido pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Francofonia, Eustáquio Nseng Esono, foi aprovado por 99 dos 100 deputados, tendo a excepção sido Plácido Micó, secretário-geral e deputado do partido Convergência para a Social-Democracia (CPSD).

Nseng Esono referiu aos deputados que o projecto de lei que reconhece o português como idioma oficial é “uma decisão política que está justificada pelos vínculos culturais e estratégicos que unem a Guiné-Equatorial aos países de língua portuguesa.”

O francês, língua que o parlamento aprovou como segunda língua no país, em Setembro de 1997, tem sido o “idioma de trabalho” desde a integração do país, em 1985, na União Aduaneira e Económica dos Estados da África Central (UDEAC), actual Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC) e ao Banco dos Estados da África Central (BEAC), duas instituições apoiadas pelo governo de França.

A Guiné-Equatorial, que tem o castelhano como a primeira língua oficial, pretende trocar o estatuto de observador na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa pelo de membro de pleno de direito. (macauhub)

Compartilhe esta notícia:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Print
  • email
  • RSS

Notícias relacionadas:

  1. Maurícias e Guiné Equatorial admitidos como observadores associados da CPLP
  2. Guiné Equatorial concede empréstimo a São Tomé e Príncipe
  3. Presidente da Guiné Equatorial quer ligações aéreas com São Tomé e Príncipe
  4. São Tomé e Príncipe: Acordo com Guiné Equatorial exclui exploração conjunta de petróleo
  5. São Tomé e Príncipe: Apoio da Guiné-Equatorial ao arquipélago vai ser mais selectivo