Download MacauHub mobile app (iOS version)


Download MacauHub mobile app (Android version)

Macao magazine


Pet

Excedente comercial da China em 2006 deverá ser quatro vezes superior a 2004

Pequim, China, 27 Jun – A China deverá registar este ano um excedente comercial quatro vezes superior ao de 2004, entre 96 e 103 mil milhões de euros (120 a 130 mil milhões de dólares) revela hoje a imprensa oficial citando fontes governamentais.

Este valor é superior às previsões do Departamento Nacional de Estatísticas, que estimou na semana passada um excedente em 80 mil milhões de euros (100 mil milhões de dólares), refere o jornal oficial chinês China Daily, que cita Bi Shengquan, vice-ministro da Comissão Nacional Reforma e Desenvolvimento (CNRD), o departamento governamental responsável pela planificação económica.

Bi declarou que a China precisa de ajustar a sua política fiscal para incentivar as exportações chinesas e aumentar a competitividade face as grandes economias como os EUA e a União Europeia que têm défice comercial com a China.

O excedente comercial chinês cresceu 41 por cento nos primeiros cinco meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo 37,3 mil milhões de euros (46,7 milhões de dólares).

A CNRD estima que as exportações chinesas crescerão num ritmo mais acelerado a partir da segunda metade do ano.

Em 2004, o último ano do qual se conhecem os dados oficiais completos do comércio chinês, a China superou o Japão em termos de volume de comércio internacional e tornou-se a terceira maior potência comercial do mundo, atrás dos EUA e da Alemanha.(macauhub)

Compartilhe esta notícia:
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Print
  • email
  • RSS

Notícias relacionadas:

  1. China com excedente comercial de 9,49 mil milhões de dólares em Janeiro
  2. Brasil com excedente de 40 mil milhões de dólares no seu comércio com a China em 2006
  3. Comércio externo da China deverá crescer 15 a 20 por cento em 2006
  4. China quer triplicar o volume comercial com a África
  5. China foi a sexta economia mundial em 2004